terça-feira, 6 de abril de 2010

A enxurrada

Os rios mais mortíferos cruzei,
nas dunas mais ferventes mergulhei,
os montes mais agudos escalei,
mas na estrada engarrafada é que parei.

Nem a marquise, velha e forte, me abrigou,
nem a casinha aconchegante me abrigou,
nem a bruma, brava, briguenta, me abrigou,
nem, imponente, La Catedral me abrigou.

No Rio Maracanã... estava lá a calamidade.
Imerso em heroísmo, eu o trilhei sem sanidade.
Estando já do outro lado, triunfante a erguer o trunfo,
descobri, então desolado, que acabara a aula no mundo.


Avante, soldados da ci..ê...n........blub!


Creative Commons License
A enxurrada by Richard Martin Souza is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Compartilhamento pela mesma Licença 3.0 Brasil License.
Based on a work at lacatedraldasletras.blogspot.com.

Um comentário:

  1. o richard poeta eu n conhecia huaeuheuhaehue, mto bom

    abraços

    ResponderExcluir